Notebookcheck

Análise do Apple MacBook Pro 15 inícios 2011 (2,0 GHz quad-core, tela de tipo brilhante)

Ir pela Tela Brilhante? Após ter analisado exaustivamente o novo MBP 15, aqui lhe oferecemos uma atualização sobre o modelo básico com uma resolução de 1440x900 pixels em uma tela de tipo brilhante. Será que o custo extra do modelo com tela mate vale a pena ou será que você pode ficar tranqüilo de que não se arrependerá da decisão de ir pela tela brilhante?
J. Simon Leitner & Klaus Hinum (traduzido por Ricardo Soto),

A Apple atualmente está oferecendo o mais recente MacBook Pro (Inícios de 2011) com sua escolha entre três diferentes telas.  Pelo preço inicial de 1749 Euros você obtém uma tela WXGA refletiva com uma resolução de 1440x900 pixels (marco da tela também refletivo).  Por 100 Euros adicionais, o portátil vem com uma resolução mais nítida de 1680x1050 pixels. Os profissionais podem preferir a versão com tela mate anti-refletiva WSXGA+ (análise aqui), que custa 150 Euros sobre o preço inicial e é examinado exaustivamente na análise vinculada.

Nesta análise damos uma olhada na versão mais básica do MacBook Pro, a qual pode ser mais atraente que modelos de preço mais alto, pois o preço inicial já é bastante alto. 

Além disso, recolhemos outra série de pontuações para os benchmarks já executados em outro MacBook Pro com hardware idêntico.  Decidimos submeter este MBP aos mesmos testes para assim tentar verificar os problemas associados com a função Turbo Boost 2.0, o adaptador de força talvez com capacidade talvez insuficiente, bem como o afogamento do CPU que observamos.

 

Tela

Aqui primeiro damos uma olhada na resolução da tela.  É interessante que a Apple mais uma vez tenha escolhido um formato de 16:10.  Este formato oferece uma imagem levemente  “mais alta” comparado com  o muito popular formato wide-screen 16:9.  Com a resolução de 1440x900, o usuário tecnicamente tem aproximadamente 24% mais de espaço na tela comparado com a quase onipresente resolução HD de 1366x768 pixels.  O upgrade para a versão WSXGA+ significaria aproximadamente um aumento de 36% no espaço de trabalho e, portanto, seria particularmente útil para profissionais que usam software especial com diversos ícones clicáveis como na edição de fotos e vídeo.  As telas Full-HD (1920x1080) e WUXGA (1920x1200) se mantêm indisponíveis para o Apple MacBook Pro 15.  Isto certamente pode ser um ponto de frustração considerando os altos preços destes portáteis.

Agora é hora de ver a parte mais essencial da tela.  O modelo do nosso portátil de teste é "LP154WP4-TLA1".  Esta tela exibe um brilho máximo de 260 cd/m², observado no meio da tela.  Comparado com a versão WSXGA+ (302 cd/m², mate) isto soma um déficit de 42 cd/m²  (14%). 

Nas esquina inferiores, o brilho cai para menos de 200 cd/m², contribuindo com uma distribuição do brilho de apenas 78%.  Com uma luminescência mínima de 277 cd/m², a tela WSXGA+ é muito melhor neste aspecto: 92% de distribuição de brilho.

224
cd/m²
236
cd/m²
222
cd/m²
239
cd/m²
260
cd/m²
231
cd/m²
204
cd/m²
228
cd/m²
203
cd/m²
Distribuição do brilho
LP154WP4-TLA1
Gossen Mavo-Monitor
Máximo: 260 cd/m² Médio: 227.4 cd/m²
iluminação: 78 %
iluminação com acumulador: 278 cd/m²
Contraste: 619:1 (Preto: 0.42 cd/m²)

O baixo brilho da tela da versão WXGA é muito visível, mas ainda representa uma melhoria sobre as telas da maioria dos portáteis de 15 polegadas.  O cliente Apple consciente de preços afortunadamente não dispensa qualidade em troca de um preço mais baixo.  A tela do portátil básico em análise aqui mostra um excelente nível baixo de escuridão de 0,42 cd/m², permitindo uma razão de contraste levemente melhor de 619:1 que a tela WSXGA+ (581:1).  Ambos os valores ganham uma valoração de "Muito Bom" em nosso livro e somente pode ser superado por muitos poucos portáteis Windows.

No que diz respeito às cores que podem ser reproduzidas na tela, achamos que esta tela cobre muito bem o espaço de cores sRGB.  Isto coloca o MBP 15 Inícios 2011 no nível de seus predecessor de 2010.  O MBP 15 (1680x1050 WSXGA+) com uma resolução mais nítida ainda se posiciona quase no mesmo nível em termos de espaço de cores.  Comparado com uma típica tela, como no HP Envy 15, podemos ver a superioridade da tela do MacBook Pro.  Comparada com uma tela de grau premium,como no Dell XPS 16 RGB, o MacBook Pro, no entanto, não chega nem perto de cobrir o mesmo espaço de cores.

sRGB vs. MBP15 WXGA+
sRGB vs. MBP15 WXGA+
MBP15 WXGA+ vs. aRGB
MBP15 WXGA+ vs. aRGB
MBP15 WXGA+ vs. WSXGA+ mate
MBP15 WXGA+ vs. WSXGA+ mate
Envy15 vs. MBP15 WXGA+
Envy15 vs. MBP15 WXGA+
MBP15 WXGA+ vs. XPS16
MBP15 WXGA+ vs. XPS16
Difícil de usar em exteriores: MBP 15 com tela brilhante
Difícil de usar em exteriores: MBP 15 com tela brilhante
Comparada com a tela mate
Comparada com a tela mate

Por um longo tempo as telas mates nos portáteis eram a norma.  Infelizmente, a maré mudou para as telas brilhantes cada vez mais populares que os fabricantes afirmavam que tinham melhor contraste.  No entanto, agora as excelentes razões de contraste tanto das versões mate como brilhante do MacBook Pro 15 tornam mais fácil a escolha de qual comprar.

Além do conforto de usá-la em vários ambientes (reflexos cansam a visão), o maior argumento em favor das telas mate é o potencial de usar o portátil em exteriores e em movimento. Se você não pode encontrar um ângulo no qual os reflexos não eclipsem por completo o conteúdo da tela, no trem ou no escritório, estes reflexos podem fazer com que o uso do portátil seja praticamente impossível no pior dos cenários.  Somente a combinação de uma tela mate e alto brilho da tela pode neutralizar o efeito da luz direta do sol ou fontes de luz inconvenientemente posicionadas.  As imagens abaixo mostram a tela brilhante WXGA+ bem como a versão mate da tela WSXGA sob a Liz direta do sol.

Em termos de ângulos de visão, a tela TN não se distingue muito da maioria esmagadora das telas de portáteis.  Olhando para a tela desde um ângulo para a esquerda ou direita — além de possíveis reflexos — a imagem permanece sem distorções inclusive em ângulos mais agudos.  Por outro lado, quando inclinamos a tela para trás e para frente, longe do ângulo ideal, a imagem começa a  se distorcer em ângulos relativamente pequenos.

Ângulos de Visão: Apple MacBook Pro 15 Inícios 2011 (2,0 GHz quad-core, tela tipo brilhante)
Ângulos de Visão: Apple MacBook Pro 15 Inícios 2011 (2,0 GHz quad-core, tela tipo brilhante)

Desempenho

Aqui poderá encontrar uma extensa discussão sobre o desempenho do Apple MacBook Pro 15 — equipado com CPU Intel Core i7-2635QM e placa de vídeo AMD HD 6490M: Análise do portátil idêntico com tela WSXGA+ de tipo brilhante. O comportamento peculiar durante o teste de estresse em Windows nos dá um motivo para executar alguns benchmarks mais uma vez para confirmar ou excluir a possibilidade de defeitos no primeiro portátil.

Desempenho do CPU

Começamos com os benchmarks intensivos de CPU.  O benchmark Cinebench R10 (32bit), executados em Windows 7 (Bootcamp), atinge uma pontuação de 3641 pontos no teste de reprodução single-core.  Isto está perto da mesma pontuação exata que ganhou a versão mate (3677 pontos).  No teste de reprodução multi-core, observamos uma pontuação de 13581 pontos.  Isto representa uma leve melhoria sobre a pontuação da versão mate (13045).  Um Segundo teste multi-core atingiu um valor de pouco mais de 13.000 pontos.  O motive desta diferença pode ser o Modo Turbo do CPU, que nem sempre influencia a pontuação no mesmo grau.  Um portátil com bom sistema de esfriamento pode ajudar o Turbo Boost a se desempenhar idealmente, enquanto que o aquecimento pode mitigar a extensão na qual o Turbo Boost aumenta o desempenho nas primeiras etapas de um teste.

No teste Cinebench R11.5, o nosso portátil de teste ganha uma pontuação de CPU de 4,68 pontos. A versão mate ganhou quase os mesmos 4,6 pontos.  O mesmo acontece com o teste OpenGL, que resultou na insignificante diferença entre 22,18 e 22,07 pontos.

5.9
Índice de Experiência Windows 7
Processador
Cálculos por segundo
7.4
Memória (RAM)
Operações de memória por segundo
5.9
Gráficos
Desempenho da Área de Trabalho para Windows Aero
6.5
Gráficos de jogos
Gráficos 3D empresariais e de jogos
6.5
Disco rígido principal
Velocidade de transferência de dados de disco
5.9
Cinebench R10 Shading 32Bit
6754
Cinebench R10 Rendering Multiple CPUs 32Bit
13581
Cinebench R10 Rendering Single 32Bit
3699
Cinebench R11.5 CPU Multi 64Bit
4.68 Points
Cinebench R11.5 OpenGL 64Bit
22.18 fps
Ajuda

Veredicto

Mate ou brilhante, eis a questão para algumas pessoas considerando o MacBook Pro 15.  Mesmo se esta decisão possa resultar fácil para profissionais, considerar as opções ainda é uma idéia inteligente, pois a Apple está carregando 150 Euros adicionais para a versão com uma tela mate.

Duas grandes considerações fazem com que nós estejamos a favor de investir na versão com tela mate: Primeiro, se estiver planejando usar o MacBook Pro para várias horas todos os dias, considere que as telas brilhantes cansam mais os olhos.  Segundo, usar o portátil em movimento, como no trem e no ônibus — nos quais você está sujeito a mudanças na situação da iluminação — pode deixá-lo frustrado, mudando os ângulos de visão com esperanças de evitar os reflexos.  Qual é o ponto em ter uma boa duração de bateria se você não consegue ver o conteúdo da tela?  Se isto soa como o seu cotidiano, é melhor se decidir pelo MacBook Pro 15 com uma tela mate e ao mesmo tempo aproveitar de uma maior resolução da tela.

Brilhante ou mate?
Brilhante ou mate?
Difícil escolha não?
Difícil escolha não?
Zur Verfügung gestellt von ...
Em Análise: Apple MacBook Pro 15-inch 2011-02 (MC721LL/A)
Em Análise: Apple MacBook Pro 15-polegadas 2011-02 (MC721LL/A)

Especificações do portátil

Apple MacBook Pro 15 inch 2011-02 MC721LL/A (MacBook Pro 15 inch Serie)
Processador
Intel Core i7-2635QM 4 x 2 - 2.9 GHz, Sandy Bridge
Placa gráfica
AMD Radeon HD 6490M - 256 MB, Análises do: 750 MHz, Memoría: 800 MHz, GDDR5-RAM, DirectX 11, Shader 5.0, 8.812.0.0
Memória
4096 MB 
, fabricante: Hynix, DDR3-10660, 1333 MHz, máximo 8 GB, 2 compartimentos
Pantalha
15.40 polegadas 16:10, 1440 x 900 pixel, LP154WP4-TLA1, LED, fabricante: LG, Brilhante: sim
placa mãe
Intel HM65
Disco rígido
Hitachi Travelstar 7K320 HTS545050B9A302, 500 GB 
, 5400 rpm
Placa de Som
Cirrus Logic CS4206A
Conexões
2 USB 2.0, 1 Firewire, 1 DisplayPort, 1 Kensington Lock, Conexões Audio: conector de fones, entrada de microfone, Card Reader: SD, SDHC, SDXC, Thunderbolt
Funcionamento em rede
Broadcom NetXtreme Gigabit Ethernet (10/100/1000/2500/5000MBit/s), Broadcom BCM4331 (b/g/n = Wi-Fi 4), Bluetooth 3.0 +HS Broadcom BCM2070
Unidade ótica
Matshita DVD-R UJ-898
Tamanho
altura x largura x profundidade (em mm): 24.1 x 364 x 249
Bateria
78 Wh Lítio-Polímero, 10,95 volts, integrada
Sistema Operativo
Apple Mac OS X 10.6 Snow Leopard
Camera
Webcam: FaceTime HD, 720p
Características adicionais
MacBook Pro, adaptador de força de 85 Watts MagSafe e cabo, DVDs de software, vários manuais, pano de limpeza, App Store, FaceTime, iLife 2011, Photo Booth, Quick Time Player, Safari, 12 Meses Garantia, Cor: Prata
peso
2.515 kg, Suprimento de energia: 321 g

 

Portáteis Similares

Links

Compare Preços

Pro

+Excelente Design e Acabamento
+Case Excepcionalmente Sólido com Agradável Sensação
+Trackpad Decente
+A entrada Thunderbolt garante compatibilidade a futuro
+Tela Matte de Alta Resolução (Opcional)
+Bom peso para sua classe
+Desempenho de Office e Multimídia
+Duração da Bateria e Consumo de Energia
 

Contra

-Alto preço inicial
-Curta Garantia de 12 Meses
-Poucos Acessórios
-Bateria não removível

Ratings

Apple MacBook Pro 15 inch 2011-02 MC721LL/A - 03/16/2011 v2(old)
J. Simon Leitner & Klaus Hinum

Acabamento
98%
Teclado
90%
Mouse
99%
Conectividade
70%
Peso
82%
Bateria
85%
Pantalha
80%
Desempenho do jogos
75%
Desempenho da aplicação
89%
Temperatura
84%
Ruído
92%
Impressão
87%
Médio
86%
85%
Multimedia - Médio equilibrado
Please share our article, every link counts!
> Análises e revisões de portáteis e celulares > Análises > Análises > Arquivo de análises próprios > Análise do Apple MacBook Pro 15 inícios 2011 (2,0 GHz quad-core, tela de tipo brilhante)
J. Simon Leitner & Klaus Hinum, 2011-05- 5 (Update: 2013-06- 6)